FAQ - Síndrome De Felty
(Powered by Yahoo! Answers)

Síndrome de Guillain-Barré é a mesma coisa que polirradiculoneurite crônica desmielinizante?


Eu sei que guillain barré é uma sindrôme conhecida como polirradiculoneurite aguda e encontrei material a respeito, mas não encontrei nada que falasse sobre "polirradiculoneurite crônica desmielinizante"... É a mesma coisa? O tratamento é o mesmo? Alguém tem algum material a respeito?
----------

http://www.google.com.br/url?sa=t&source=web&ct=res&cd=1&url=http%3A%2F%2Fwww.lookfordiagnosis.com%2Fmesh_info.php%3Fterm%3DPolirradiculoneuropatia%26lang%3D3&ei=8YoxSawLhJh6orjopAE&usg=AFQjCNFN9UFg_Jeqh_9YRR3dn4FAvK2d7g&sig2=2cl2ghnjWkaIAtYHm_ygXw

↑Achou!!

Contate 1 especialista, é 1 doença auto-imune.

∟♪  (+ info)

Síndrome do desconforto respiratório do recem nascidos?


Alguém sabe explicar o q seria a síndrome do desconforto respiratório do recem nascido? E qual seria a causa da doença, o sintoma e o tratamento?
Qual a diferença entre Síndrome do recem nascido e da aguda?
----------

Síndrome da Angústia Respiratória


A síndrome da angústia respiratória (denominada antigamente doença da membrana hialina) é um distúrbio respiratório no qual os alvéolos (sacos aéreos) dos pulmões do recém-nascido não permanecem abertos por causa da elevada tensão superficial resultante da produção insuficiente de surfactante.

Para que um recém-nascido seja capaz de respirar independentemente, os alvéolos pulmonares devem ser capazes de permanecerem abertos e cheios de ar após o nascimento. Eles conseguem fazê-lo em grande parte graças a uma substância denominada surfactante. O surfactante é produzido por células dos alvéolos pulmonares e reduz a tensão superficial. Ele é produzido à medida que os pulmões do feto amadurecem, freqüentemente em torno da 34a semana e quase sempre em torno da 37a semana de gestação.

A síndrome da angústia respiratória ocorre quase que exclusivamente em recém-nascidos prematuros. Quanto mais prematuro o recém-nascido, maior a chance dele apresentar a síndrome da angústia respiratória. A probabilidade de ocorrência da síndrome também é maior em filhos de mães diabéticas.

Sintomas e Diagnóstico

Os recém-nascidos muito prematuros podem ser incapazes de começar a respirar, pois, sem o surfactante, os seus pulmões são muito rígidos. Os recém-nascidos um pouco maiores podem começar a respirar, mas, como os pulmões tendem a colapsar, ele apresenta dificuldade respiratória. Nestes casos, a respiração é rápida e trabalhosa, com dilatação das narinas. Eles contraem a parede torácica à inspiração e emitem ruídos que lembram grunhidos durante a expiração. A dificuldade respiratória pode iniciar logo após o parto ou ocorrer em algumas horas. Quando a síndrome da angústia respiratória é grave, os músculos respiratórios acabam apresentando fadiga, a respiração torna-se ainda menos eficaz e a pele torna-se azulada.

Quando não tratado, um recém-nascido com síndrome da angústia respiratória pode morrer. O diagnóstico da síndrome da angústia respiratória é baseado na história clínica da mãe (p.ex., trabalho de parto prematuro ou diabetes), no exame físico do recém-nascido após o nascimento e em uma radiografia torácica do recém-nascido, a qual revela uma expansão pulmonar incompleta.

Complicações

Quando os pulmões são rígidos, é necessária uma maior pressão para expandi-los, seja ela produzida pelo recém-nascido ou por um ventilador mecânico. Conseqüentemente, pode ocorrer uma ruptura pulmonar, com extravasamento de ar para o interior da cavidade torácica. Este ar faz com que o pulmão colapse ainda mais, comprometendo a ventilação e a circulação. O colapso pulmonar (uma complicação denominada pneumotórax) geralmente exige um tratamento imediato.

O tratamento consiste na remoção do ar livre presente no interior da cavidade torácica com o auxílio de uma seringa e uma agulha e a instalação de um tubo, no tórax do recém-nascido, acoplado a um selo de água para que não ocorra novamente um acúmulo de ar livre. Além disso, os recém-nascidos com síndrome da angústia respiratória apresentam um maior risco de hemorragia cerebral. O risco de sangramento é muito menor quando a mãe é tratada com corticosteróides antes do parto.

Prevenção e Tratamento

O risco de síndrome da angústia respiratória diminui bastante quando o parto pode ser postergado até os pulmões do feto terem produzido uma quantidade suficiente de surfactante. Quando existe a iminência de um parto prematuro, pode ser realizada uma amniocentese para se coletar uma amostra de líquido amniótico e se estimar a concentração do surfactante. Quando o médico estima que os pulmões do feto são imaturos e que o parto não pode ser adiado, ele pode administrar um corticosteróide à mãe pelo menos 24 horas antes do momento estimado do parto. O corticosteróide atravessa a placenta e chega ao feto, estimulando os seus pulmões a produzir surfactante.

Após o parto, um recém-nascido com síndrome da angústia respiratória leve pode necessitar apenas de ser colocado em uma tenda de oxigênio. Os recém-nascidos com um quadro mais grave podem necessitar de suporte ventilatório e tratamento com uma droga surfactante. Uma droga surfactante, a qual é muito semelhante ao surfactante natural, pode ser gotejada diretamente, através de um tubo, no interior da traquéia do recém-nascido. Ela aumenta a chance de sobrevida ao reduzir a gravidade da síndrome da angústia respiratória e o risco de complicações (p.ex., ruptura pulmonar). A droga surfactante pode ser administrada imediatamente após o parto para evitar a síndrome da angústia respiratória em um recém-nascido muito prematuro que pode desenvolvê-la ou pode ser administrado assim que os sinais da síndrome se manifestarem.

O recém-nascido é controlado rigorosamente, para se assegurar que a administração da droga surfactante está sendo tolerada e que a respiração está melhorando. Os tratamentos podem ser mantidos por vários dias, até que o recém-nascido comece a produzir o seu próprio surfactante.

Síndrome Respiratória Aguda Grave
Até o momento não há resultados conclusivos sobre o agente etiológico da SRAG. No Canadá, China e Estados Unidos, exames laboratoriais indentificaram a presença de vírus das famílias Paramyxoviridae e Coranaviridae, além de M. pneumoniae e metapneumovírus, em pacientes com SRAG. Em 24 de março, o CDC informou que seus laboratórios isolaram um novo coronavírus em células Vero E6 de amostras clínicas de dois pacientes suspeitos de SRAG, da Tailândia e Hong Kong.

Como se transmite a SRAG?

É difícil estabelecer exatamente como se transmite a SRAG, pois os resultados das investigações ainda são preliminares. Sabe-se que há transmissão pessoa a pessoa, sendo necessário um contato próximo com pessoas infectadas. O contato com aerossóis, secreções respiratórias e fluidos corporais de uma pessoa infectada parecem ser importantes. A maioria dos casos tem acontecido em trabalhadores de hospitais que atenderam pacientes com SRAG e familiares próximos dos pacientes. Desconhece-se a quantidade do agente infeccioso necessário para causar infecção. A SRAG parece ser menos infecciosa que a influenza.

A SRAG pode ser transmitida por fômites (objetos contaminados)?

Atualmente, as informações disponíveis indicam que a transmissão do agente requer contato próximo e direto (pessoa a pessoa). Porém, não se descarta a transmissão por objetos contaminados, devendo-se tomar cuidados de desinfecção com objetos utilizados pelos casos suspeitos.

Se eu tivesse sido exposto à SRAG, quanto tempo demoraria para adoecer?

Informações preliminares das investigações realizadas em Hong Kong e Hanói indicam que o período de incubação (período entre a infecção inicial e o desenvolvimento da doença) médio da SRAG corresponde de dois a sete dias, podendo se estender por 10 dias. Apesar do curto período de incubação, a rapidez das viagens internacionais aumenta o risco de disseminação dos casos.

Quem está sob risco de contrair a SRAG?

Até o momento, os casos têm ocorrido, principalmente, entre profissionais de saúde envolvidos com o cuidado dos pacientes com SRAG e contatos familiares próximos. Pessoas com antecedentes de viagens recentes a cidades com casos notificados estão sob maior risco.

Qual é o tratamento da SRAG?

Vários medicamentos têm sido utilizados para o tratamento da SRAG, no entanto nenhum tem sido recomendado para a profilaxia ou tratamento. Os antibióticos não têm mostrado eficácia. Um adequado tratamento de apoio em UTI é o indicado, quando pertinente. Como resultado de um bom tratamento de suporte, alguns pacientes em Hanói têm passado do estado crítico para o regular.

O que tem sido recomendado para prevenir a transmissão de SRAG em hospitais e no domicílio? Os pacientes suspeitos de ter a SRAG devem ser isolados? Como devem ser manejados os pacientes com SRAG?

Os casos suspeitos devem ser internados em unidades isoladas, com banheiro privativo. Recomenda-se que profissionais de saúde e visitantes usem máscaras com filtros eficientes, óculos, aventais, gorro e luvas (barreiras respiratórias e de mucosas) quando em contato próximo com o paciente.

Para minimizar a transmissão potencial fora do ambiente hospitalar, os pacientes com SRAG devem limitar as interações fora do domicilio até que se conheça melhor o mecanismo de transmissão da doença. Recomenda-se colocar máscaras cirúrgicas nos pacientes durante o transporte e no domicílio.  (+ info)

qual é aqulea síndrome em que a pessoa acha que é o centro de tudo, e toda a atenção é votlada pra ela?


Se estão rindo, brigando, a pessoa que tem a síndrome acha que é dela, gostaria de saber o nome real da doença, obrigada.
----------

Paranóia. É uma psicose que se caracteriza pelo desenvolvimento de um delírio crônico (mania de grandeza, mania de perseguição, de zelo etc.). Pode manifestar-se em pessoas com distúrbio paranóide de personalidade - pessoas desconfiadas e sensitivas que parecem emocionalmente frias e se melindram facilmente.Os paranóicos raramente vêem a si próprios como doentes e geralmente só recebem tratamento quando amigos ou parentes os forçam a isso.  (+ info)

Depressão e Síndrome do Pânico podem afastar uma pessoa do trabalho?


Mesmo que a pessoa tenha acabado de passar pelo período de experiência?
----------

Se foi adquirido após admissão,poder até que pode porque a empresa sempre leva vantagens,mas de acordo com a lei após o diagnóstico a empresa tem por obrigação encaminhar o funcionário junto ao IN SS com guia de afastamento fornecido pela própria empresa os 15 dias corre pela empresa e o restante pelo IN SS,caso contrário o ex funcionário deverá entrar com uma ação trabalhista requerendo indenização por a mesma ter demitido com problema de saúde salvo se for constatado que tal doença existia antes de ser admitido.  (+ info)

Os testículos de um homem que possue a síndrome de Klinefelter é muito pequeno?


São pequenos e devido esta atrofia, não produzem espermatozóides.  (+ info)

Como acalmo uma pessoa com a síndrome do pânico?


Olá,
Minha mãe possui a síndrome do pânico, ela já está medicada, já foi ao médico e tudo demais. Só que, do nada, ela possui ataques incontroláveis. Ela fica chorando e berrando pelo meu nome (sendo que eu não saio ao lado dela). Ela toma o remédio, tudo direitinho, mas demora para fazer efeito e é realmente doloroso vê-la se debatendo na cama.

Eu gostaria de saber se alguém conhece um tratamento caseiro que não involve medicamentos, bebida e comida (sendo que ela se recusa a tomar algo) para que possa mantê-la distraída até o remédio fazê-la se acalmar.
Grata.
----------

A melhor maneira de resolver uma Síndrome de Pânico é curar, tratar não é a solução e o que parece ser o mais fácil, a droga psiquiátrica, poderá ser tornar muito desolador.

A cultura deste país, somado com os desmandos na área de saúde, tem levado a população a acreditar que o melhor é o remédio para remediar, pois profissionais destas áreas, da caneta e do diagnóstico clínico, ficam presos no que lhe é comodo ou interesseiro, negando a si e aos outros as mais modernas técnicas de Saúde Mental que já curam todas as doenças mentais.
Se o povo ainda não sabe, é porque de fato são pouquíssimos no Brasil os Profissionais já capacitados para isto, por isto não podem fazer propaganda e depois NÃO ter profissionais suficientes para atender a demanda, também seria fora de ética.
Porém, saber conscientemente que já existe saída, é no mínimo dar esperança aos que sofrem.

Uma crise de Pânico pode demorar minutos ou até pouco mais de uma hora.
A incidência começa uma ou outra vez por mês, passa a toda semana, até todo o dia e alguns, até mais vezes durante um só dia, sofrem muito de fato.
No momento de crise, pedir calma ou dizer que está tudo bem, NADA ajuda, ao contrário, a pessoa sabe que não está tudo bem!

AJUDA EM CRISES:
- Nestes momentos é preciso TIRAR a pessoa de seus próprios pensamentos reativos (pois a gravação subconsciente é que está reagindo), e trazer a pessoa para TEMPO PRESENTE.
Poderia dizer: Estou AQUI com VOCÊ. E em seguida puxar a atenção da pessoa para qualquer coisa que seja possível no momento.
Tipo: Segure minha mão, está sentindo minha mão?
Segure minha outra mão! Sinta a cadeira (ou local onde a pessoa esteja, se for a cama, sinta a cama, está sentindo? Se estiver em pé - sinta o chão!
Olhe para esta parede, o que você está vendo? E faça citar alguma coisa, alguma cor etc...
Muito bem, vamos caminhar até aquela parede. Toque nesta parede. Que temperatura você sentiu?
E assim, caminhar com a pessoa pela casa, pelo jardim, pela rua, enfim, onde a crise a tiver pego.
No meio deste exercício a crise já terá cedido, mas continuar até perceber que a pessoa 'está em tempo presente' e FORA do pensamento do MEDO ou do que a estiver incomodando.

NÃO EXISTE NADA QUE PODERÁ FUNCIONAR MELHOR DO QUE ISTO, nada, absolutamente nada! É IMEDIATO. (para os Profissionais da Tecnologia Moderna de Saúde Mental - a DIANÉTICA, existem processos especiais, mas que requerem treinamento e qualificação).

Não estou aqui para fazer diagnósticos clínicos e muito menos análises ou chutes, mas vou indicar a você que sua mãe pode até ter síndrome de pânico, mas pelo pouco que você relatou, não é só esta doença que está reativando problemas para ela. Encontrar a causa não é mais impossível, pois já existe técnica para conseguir ir diretamente na gravação subconsciente de uma pessoa, tornando TUDO CONSCIENTE e portanto, não reagindo mais, é a cura.
.  (+ info)

Pessoas com síndrome tem a tendência a exagerar em bebidas alcoolicas?


Estou sofrendo desse problema e o único momento em que me sinto relaxada e quando bebo um pouco, estou preocupada não quero virar uma alcoolatra.
Obs: Síndrome do pânico esse é o problema.
----------

Não. Não tem nenhuma ligação. Aliás pessoas com sindrome de pânico não são muito ligadas a bebidas alcólicas.

● Pessoas que sofrem de sindrome de pânico que precisam e querem conversar com outras pessoas que tambem sofrem do mesmo mal, trocar experiencias, desabafar, pedir orientações, etc. podem partcipar do grupo on-line é só adicionar no MSN: grupo27687@groupsim.com  (+ info)

Poderiam me explicar resumidamente o que é síndrome de down?


SÍNDROME DE DOWN (Trissomia do Cromossomo 21) :

O que é?

A síndrome de Down é a forma mais freqüente de retardo mental causada por uma aberração cromossômica microscopicamente demonstrável. É caracterizada por história natural e aspectos fenotípicos bem definidos. É causada pela ocorrência de três (trissomia) cromossomos 21, na sua totalidade ou de uma porção fundamental dele.

Características Clínicas:


A síndrome de Down, uma combinação específica de características fenotípicas que inclui retardo mental e uma face típica, é causada pela existência de três cromossomos 21 (um a mais do que o normal, trissomia do 21), uma das anormalidades cromossômicas mais comuns em nascidos vivos.

É sabido, há muito tempo, que o risco de ter uma criança com trissomia do 21 aumenta com a idade materna. Por exemplo, o risco de ter um recém-nascido com síndrome de Down, se a mãe tem 30 anos é de 1 em 1.000, se a mãe tiver 40 anos, o risco é de 9 em 1.000. Na população em geral, a freqüência da síndrome de Down é de 1 para cada 650 a 1.000 recém-nascidos vivos e cerca de 85% dos casos ocorre em mães com menos de 35 anos de idade.

As pessoas com síndrome de Down costumam ser menores e ter um desenvolvimento físico e mental mais lento que as pessoas sem a síndrome. A maior parte dessas pessoas tem retardo mental de leve a moderado; algumas não apresentam retardo e se situam entre as faixas limítrofes e médias baixa, outras ainda podem ter retardo mental severo.

Existe uma grande variação na capacidade mental e no progresso desenvolvimental das crianças com síndrome de Down. O desenvolvimento motor destas crianças também é mais lento. Enquanto as crianças sem síndrome costumam caminhar com 12 a 14 meses de idade, as crianças afetadas geralmente aprendem a andar com 15 a 36 meses. O desenvolvimento da linguagem também é bastante atrasado.


É importante frisar que um ambiente amoroso e estimulante, intervenção precoce e esforços integrados de educação irão sempre influenciar positivamente o desenvolvimento desta criança.

Embora as pessoas com síndrome de Down tenham características físicas específicas, geralmente elas têm mais semelhanças do que diferenças com a população em geral. As características físicas são importantes para o médico fazer o diagnóstico clínico; porém, a sua presença não tem nenhum outro significado. Nem sempre a criança com síndrome de Down apresenta todas as características; algumas podem ter somente umas poucas, enquanto outras podem mostrar a maioria dos sinais da síndrome.

Algumas das características físicas das crianças com síndrome de Down são:

achatamento da parte de trás da cabeça,
inclinação das fendas palpebrais,
pequenas dobras de pele no canto interno dos olhos,
língua proeminente,
ponte nasal achatada,
orelhas ligeiramente menores,
boca pequena,
tônus muscular diminuído,
ligamentos soltos,
mãos e pés pequenos,
pele na nuca em excesso.

Aproximadamente cinqüenta por cento de todas as crianças com a síndrome têm uma linha que cruza a palma das mãos (linha simiesca), e há, freqüentemente, um espaço aumentado entre o primeiro e segundo dedos do pé. Freqüentemente estas crianças apresentam mal-formações congênitas maiores.

As principais são as do coração (30-40% em alguns estudos), especialmente canal atrioventricular, e as mal-formações do trato gastrointestinal, como estenose ou atresia do duodeno, imperfuração anal, e doença de Hirschsprung.

Alguns tipos de leucemia e a reação leucemóide têm incidência aumentada na síndrome de Down. Estimativas do risco relativo de leucemia têm variado de 10 a 20 vezes maior do que na população normal; em especial a leucemia megacariocítica aguda ocorre 200 a 400 vezes mais nas pessoas com síndrome de Down do que na população cromossomicamente normal. Reações leucemóides transitórias têm sido relatadas repetidamente no período neonatal.

Entre oitenta e noventa por cento das pessoas com síndrome de Down têm algum tipo de perda auditiva, geralmente do tipo de condução. Pacientes com síndrome de Down desenvolvem as características neuropatológicas da doença de Alzheimer em uma idade muito mais precoce do que indivíduos com Alzheimer e sem a trissomia do 21.


Citogenética

A maior parte dos indivíduos (95%) com trissomia do 21 tem três cópias livres do cromossomo 21; em aproximadamente 5% dos pacientes, uma cópia é translocada para outro cromossomo acrocêntrico, geralmente o 14, o 21 ou o 22. Em 2 a 4% dos casos com trissomia do 21 livre, há mosaicismo, isto é, uma linhagem de células com trissomia e uma linhagem de células normal na mesma pessoa.

Aconselhamento genético

Pais que têm uma criança com síndrome de Down têm um risco aumentado de ter outra criança com a síndrome em gravidezes futuras. É calculado que o risco de ter outra criança afetada é aproximadamente 1 em 100 na trissomia do 21 e no mosaicismo. Porém, se a criança tem síndrome de Down por translocaç  (+ info)

preciso da bula do medicamento humira, sou portador de sindrome de felty?


Clovis, espero de coração te ajudar.


Bula:

Humira é aprovado no Brasil para tratamento de doença de Crohn
A Doença de Crohn Que afeta milhares de jovens será tratada com o anticorpo Monoclonal Humano Adalimumabe (Humira)


São Paulo - Humira é o primeiro tratamento biológico auto-administrável aprovado para Doença de Crohn no Brasil e que proporciona remissão da doença. De causas ainda desconhecidas, a Doença de Crohn afeta principalmente adolescentes e jovens adultos entre 20 e 40 anos de idade. A doença é mais comum em centros desenvolvidos.

Os brasileiros com Doença de Crohn já podem contar com uma nova arma contra a progressão da doença e suas complicações: o anticorpo mononoclonal totalmente humano Humira (adalimumabe) foi aprovado no Brasil também para o tratamento de Doença de Crohn, permitindo aos pacientes controlar melhor a doença e seus sintomas.

Humira para o tratamento de Crohn também está aprovado pelo FDA (EUA) e pela EMEA (Comunidade Européia). Humira, desenvolvido pela Abbott, já é indicado para outras doenças auto-imunes, como a artrite reumatóide, e continua sendo estudado para outras indicações.

Crohn é uma doença inflamatória crônica do trato gastrintestinal, que afeta mais de um milhão de pessoas nos EUA e Europa, de todas as idades, porém é mais freqüente em adultos jovens, com o surgimento da doença antes dos 40 anos de idade. Não há cura clínica ou cirúrgica para Crohn e são poucas as opções de tratamento.

Os sintomas mais comuns da Doença de Crohn são diarréia, cólicas abdominais, perda de peso, febre e, em alguns casos, sangramento intestinal. As complicações decorrentes da doença incluem obstrução intestinal, fístulas (comunicações anormais, em forma de "túneis", do intestino com os tecidos circundantes) e desnutrição. Cerca de 75 por cento dos pacientes terão que se submeter a uma cirurgia pelo menos uma vez na vida, pelas complicações da doença ou por resistência ao tratamento.

"A aprovação de Humira para o tratamento de doença de Crohn significa que uma população que até então dispunha de poucas opções de tratamento agora tem uma opção eficaz, permitindo ao paciente manter o controle de sua doença", afirmou Dr. Antonio José, diretor médico da Abbott no Brasil. "Para milhares de pessoas portadoras de doença de Crohn, Humira é uma nova e eficaz opção de tratamento".

Humira para Crohn

A eficácia e segurança de Humira na doença de Crohn foram avaliados em vários estudos clínicos, em pacientes adultos com doença ativa moderada grave. No estudo Classic I, que avaliou a indução da remissão clínica, 36 por cento dos pacientes tratados com Humira atingiram a remissão clínica na quarta semana de tratamento, contra 12% dos pacientes tratados com placebo.

Já no estudo Charm, delineado para investigar a manutenção da remissão clínica, 58% do total de pacientes analisados obtiveram resposta clínica ao tratamento com Humira depois de quatro semanas de tratamento. Destes, 40% continuaram em remissão clínica na semana 26 e 36% na semana 56 do estudo. No estudo Gain, que analisou a resposta clínica de Humira em pacientes que perderam a resposta ou se tornaram intolerantes a outro medicamento biológico (infliximabe), 21% dos pacientes tratados com Humira atingiram remissão clínica na quarta semana de tratamento, contra 7% daqueles tratados com placebo.

Sobre Humira

Além de ser indicado para o tratamento de doença de Crohn, Humira foi aprovado para o tratamento de artrite reumatóide, artrite psoriásica e espondilite anquilosante. Humira assemelha-se aos anticorpos naturalmente encontrados no organismo, pois é composto de 100% de seqüências protéicas humanas.

Age, bloqueando o fator de necrose tumoral alfa, uma proteína que normalmente regula ações no sistema imune, mas quando produzida em excesso desempenha um papel central na amplificação da resposta inflamatória de algumas doenças auto-imunes. Até o momento, Humira está aprovado em 67 países e é usado para tratar mais de 180 mil pessoas em todo o mundo. Estudos clínicos estão sendo desenvolvidos para avaliar o potencial de Humira no tratamento de outras doenças auto-imunes.  (+ info)

Alguém já fez tratamento psiquiatrico para síndrome do pânico ou transtorno de ansiedade?


Faço tratamento psiquiatrico e tomo cloridrato de paroxetina e clonazepam, mas não estão fazendo efeito. É verdade que acumpuntura ajuda?
Agradeço de coração a todos que responderem...
----------

Tudo ajuda! Pra mim o que me 'curou' foi a terapia holistica (cromoterapia, aromaterapia e florais).
Mas tb muita leitura de auto ajuda, respirações profundas, e relaxamentos.
Acupuntura nunca fiz, mas com certeza é uma ajuda a mais!
Faça sim!! Boa sorte!  (+ info)

1  2  3  4  5  

Deixa uma mensagem sobre 'Síndrome De Felty'



Não avalia ou garante a precisão de qualquer conteúdo deste site. Clique aqui para ler o termo de responsabilidade.

Última atualização: Setembro 2014