FAQ - Oclusão De Enxerto Vascular
(Powered by Yahoo! Answers)

O que pode causar aumento da trama vascular em um exame de Raio-X?


O Raio-x era de tórax, e apresentou aumento da trama vascular pulmonar.
----------

Amiga, tudo depende de que parte do corpo foi o raio-x. Boa sorte.  (+ info)

Onde posso fazer uma cirurgia vascular gratuita?


Tenho muitas varizes nas pernas e por isso só uso calças.
Moro no Rio de Janeiro.
----------

Vc não disse onde está, em São Paulo tem o Hospital das Clinicas. Caso esteja em outro lugar, procure a rede plúbica e peça orientações.  (+ info)

Olá, estou procurando em todo o Brasil um hospital, que trate de Acidente Vascular ocular com Aneurisma? Grata?


se informe em www.institutodavisao.com cascavel parana os melhores especialistas do brasil  (+ info)

FIZ UMA TOMOGRAFIA DO CRANIE E DEU CALCIFICAÇÃO VASCULAR O QUE É ISSO?


O MÉDICO PEDIU POR CONTA DE UNS PESADELOS QUE TIVE
----------

Bom dia Dozemares!

Não sei se é bem isso que procura,mais dê uma lida!

Sabe-se que calcificação cerebral ocorre em diversas condições como hipoparatireoidismo idiopático e desordens endócrinas, pseudo-hipoparatireoidismo, encefalopatia anóxica, doença de Fahr, ferrocalcinose, administração de cisplatina endovenosa e metrotexate intratecal. Essas calcificações freqüentemente mostram distribuição constante sem relação com a etiologia, sendo os gânglios da base afetados mais freqüentemente. O paciente deste relato de caso não apresentava distúrbios eletrolíticos, disfunção endócrina ou história familiar de qualquer das doenças mencionadas. Portanto, assume-se que as extensas calcificações intracranianas deste caso resultaram do LES.

A TC do crânio e a RM dos pacientes com LES geralmente mostram infarto, hemorragia, edema e atrofia cerebral.

Existem relatos de calcificações bilaterais simétricas intracranianas em pacientes com LES,relataram um caso de mulher de 38 anos de idade com LES que apresentou um evento neurológico agudo e que a TC mostrava calcificações bilaterais simétricas nos gânglios da base, tálamo e substância branca subcortical. Esses autores mencionaram que realizaram TC cerebrais em mais de 30 casos de LES com diferentes tipos de apresentações de sintomas no SNC e nenhum caso de calcificações foi visto. Raymond et al. avaliaram as TC de crânio de 27 adultos com LES com várias apresentações de sintomas neurológicos. Esses autores encontraram apenas dois casos de calcificações intracranianas extensas que estavam localizadas nos gânglios da base, centro semi-oval e cerebelo.

Alguns autores tentaram explicar a etiologia das calcificações cerebrais vistas em pacientes com LES. Anderson relatou um caso de LES com múltiplos infartos e calcificações bilaterais nos gânglios da base, e sugeriu que uma lesão vascular imunológica causou múltiplos infartos e provocou calcificações em regiões seletivas e vulneráveis do cérebro. Nagaoka et al.) relataram cinco casos de LES associados com calcificação intracerebral pronunciada. Uma vez que seus pacientes tinham manifestações neuropsiquiátricas e evidência de atividade da doença, os autores sugeriram que uma angiite grave e/ou um mecanismo auto-imune poderia ser a causa das calcificações intracranianas no LES.

Acontece que cada caso,é um caso!O importante é vc estar sendo
assistida periodicamente por seu médico,pois ele sim poderá lhe explicar bem melhor do que se trata através de seus exames!

Espero ter ajudado!
Melhoras!...  (+ info)

deficiência vascular severa é uma doença crônica?


Olá, Bom Dia!

Sim, é uma enfermidade com características crônico-degenerativas, progressiva, que atinge a parede das artérias.


Abraço  (+ info)

Fiz um ultrason transvaginal e deu ''Congestão vascular pelvica difusa" . O que eh isso?


Passemos agora a uma análise sucinta de alguns dos inúmeros aspectos psicossomáticos, arquetípicos e simbólicos da menstruação. Uma vez que este órgão exclusivo da mulher que é o útero é também o único do corpo humano cuja fisiologia apresenta a característica de sangrar periodicamente, a menstruação sempre se constituiu em um fenômeno da maior importância para a natureza feminina. A mulher vivencia o sangramento menstrual tanto nos seus aspectos objetivos (fisiológicos e médicos), quanto nos subjetivos (simbólicos e arquetípicos). Para ela, a ocorrência de menstruações com características normais dentro dos períodos esperados serve como um sinal, ainda que relativo e de valor aproximado, da sua normalidade fisiológica no que se refere à condição feminina; é, no mínimo, uma indicação de que a ciclicidade que caracteriza a sua fisiologia sexual está mantida. Ao mesmo tempo, para as mulheres em vida sexual ativa, o aparecimento da menstruação significa ausência de gravidez – pelo menos na maior parte das vezes, pois como se sabe há exceções.

A forma como a mulher vivencia o sangramento menstrual é um dos muitos parâmetros através dos quais o seu padrão de relacionamento com a condição feminina pode ser avaliado. Considerando-se o simbolismo arquetípico do sangue, torna-se fácil concluirmos que, para ela, a experiência constante deste sangramento uterino cíclico que é a menstruação aumenta mais ainda a sua capacidade de vivenciar profundamente os processos orgânicos e viscerais típicos da natureza feminina – especialmente aqueles relacionados aos seus órgãos sexuais e à intimidade da sua pelve.

Dada a enorme importância emocional e arquetípica dos genitais, sangramentos deles provenientes, mesmo fisiológicos como é o caso da menstruação, acabam adquirindo um simbolismo todo especial. Diversas fantasias ligando sangue e sexualidade podem surgir. Desta forma, através do simbolismo da menstruação, a mulher pode expressar somaticamente muitos dos seus problemas psicossexuais e emocionais. Pelas vias psicossomáticas, inúmeros conflitos relativos à natureza da mulher podem se somatizar, direta ou indiretamente, através de alterações menstruais as mais diversas. Pelo outro lado, pelas vias somatopsíquicas, distúrbios da menstruação podem gerar conflitos psicológicos em relação a este aspecto da natureza feminina.

Com uma certa frequência, as atitudes femininas relativas a este sangramento uterino cíclico são um tanto ambíguas. Por razões conhecidas de todos, a vinda das menstruações nos períodos esperados é considerada de grande importância pela quase totalidade das mulheres. Sempre há uma considerável preocupação envolvendo o sangramento menstrual – não só relativa à regularidade da sua ocorrência, como também às características do fluxo ( volume, duração, aspecto, sintomas e sinais associados, etc. ). Assim, a menstruação é sempre um evento da maior significação para a mulher, sendo também um dos símbolos arquetípicos da feminilidade.

Porém, apesar disto, com uma certa frequência o sangramento menstrual em si é considerado como um tanto "desconfortável" – mesmo quando assintomático e inteiramente normal sob o ponto de vista médico. Como costumo sempre salientar, é comum encontrarmos em muitas mulheres graus variáveis de ressentimento em relação a diversas peculiaridades biológicas da natureza feminina. É evidente que, na medida em que as menstruações se acompanhem daqueles típicos desconfortos pélvicos, que variam de um dolorimento difuso até cólicas de moderadas a intensas, as atitudes negativas em relação a este sangramento uterino cíclico tornam-se mais frequentes. Estas atitudes negativas, por sua vez, estabelecem um ciclo vicioso de intensificação da sintomatologia.

Ao nível somático devemos sempre lembrar que, na ausência de patologia orgânica, a dismenorréia ( cólicas menstruais ) deve-se usualmente à fortes contrações uterinas causadas por uma produção aumentada de prostaglandinas no endométrio pré-menstrual e menstrual, durante a regressão e necrose deste tecido. Uma maior resposta contrátil do miométrio à níveis normais de prostaglandinas durante a menstruação também pode estar presente em muitos casos, igualmente dando origem à dismenorréia. Também ao nível somático, a congestão pélvica pré-menstrual é responsável pelo dolorimento e desconforto pélvico difuso que frequentemente ocorre no período que precede a vinda da menstruação.  (+ info)

Por que o AVC (Acidente Vascular Cerebral) ocorre mais frequentemente do lado direito do cérebro?


Olá.
Sou fisioterapeuta e noto na prática clínica uma maior propensão à hemipelgia esquerda, como sequela de um AVC (Acidente Vascular Cerebral). De 12 pacientes que atendo atualmente, 9 têm hemiplegia esquerda. Por que isso ocorre, ou seja, por que essa disfunção ocorre com mais frequencia no lado direito do cérebro? Há alguma predisposição, devido às estruturas anatômicas do hemisfério direito? Ou será apenas coincidência? rsrs...
Valeu.
----------

Realmente a amostra é pequena, porém vale lembrar que a a. carótida esquerda sai direto da crossa da aorta. A a. carótida direita é um ramo do tronco braquicefálico. Talvez, disse TALVEZ, o fluxo de sangue para a corótida esquerda é mais "fluente", livre. Da a. carótida D, talvez seja mais lento, pois a pressão que sai da aorta para o tronco braquicefálico tem de ser "dividido" com o MS D e com a carótida D. Mais uma vez, talvez, pelo fluxo ser possívelmente mais lento na a. carótida D, pode haver maior chance de formção de trombos, placas ateromatosas...
Daria um ótimo trabalho!  (+ info)

preciso de um medico angiologista cardio-vascular que atenda minha mãe pois ela esta cada vez pior?


Você não diz onde mora, se tem plano de saúde, se precisa de um atendimento público, não fala a idade de sua mãe....

Não vou conseguir ajudar você, preciso de maiores explicações.  (+ info)

O que é um tumor glômico vascular?


O que causa tumor? como se trata tumor glômico vascular? que tamanho ele pode ter? pode estar em lugares diferentes como vasos no pescoço, canal auditivo e parte cerebral? Que hospitais podem diagnosticar e tratar? Que exames podem ajudar a diagnósticar o tamanho e o tipo de tumor? é preciso fazer biopsia em tumor glômico?
----------

O tumor glômico apresenta-se como lesäo de relativa raridade e de escassa informaçäo nacional. OBJETIVO - Caracterizar seu comportamento epidemiológico, clínico e histopatológico no Brasil. MÉTODO - Foram analisados 44 pacientes, tratados entre 1973 e 1995 no Rio de Janeiro e Niterói, mediante estudo retrospectivo multicêntrico. RESULTADOS - Em pacientes do sexo feminino, os tumores preferiram os quirodáctilos em 70,9 porcento e, nos do sexo masculino, em 38,4 porcento. A tríade "dor paroxística, sensibilidade local e hipersensibilidade à alteraçäo de temperatura"näo foi relatada. Recidivas ocorreram em 12 porcento dos casos, 83,3 porcento deles seis meses depois da cirurgia. A cápsula tumoral esteve presente em um terço das preparaçöes. Tumores múltiplos näo foram observados. CONCLUSÖES - A sintomatologia dolorosa pode ser discreta ou mesmo näo estar presente. A distribuiçäo topográfica do tumor foi diferente entre os sexos. O curto acompanhamento e as recidivas tardias sugerem a necessidade de seguimento pós-operatório mais longo(AU)  (+ info)

Acentuação peri bronco bilateral cardio vascular?


Esta frase saiu num raio x do torax, oque pode ser isto?
----------

Acredito que vc não leu corretamente o laudo antes de postar.
Acentuação peri-bronquica aparece nos casos de infecção respiratória, bronquite aguda ou crônica, asmas e nos casos de congestão pulmonar por conta de insuficiência cardíaca.
Bilateral significa que está nos dois pulmões igualmente.
Agora, a parte do cardiovascular não está se encaixando, portanto, acho que vc não leu direito.  (+ info)

1  2  3  4  5  

Deixa uma mensagem sobre 'Oclusão De Enxerto Vascular'



Não avalia ou garante a precisão de qualquer conteúdo deste site. Clique aqui para ler o termo de responsabilidade.

Última atualização: Setembro 2014