FAQ - Hanseníase Tuberculóide
(Powered by Yahoo! Answers)

você sabe que é hanseníase?


uma doença de pele
----------

HANSENÍASE (MS)



Aspectos Epidemiológicos

A hanseníase é uma doença crônica granulamatosa proveniente de infecção causada pelo Micobacterium leprae. Este bacilo tem a capacidade de infectar grande número e indivíduos, mas poucos adoecem pela sua baixa patogenicidade, propriedade esta que não é função apenas de suas características intrínsecas, mas que depende, sobretudo, de sua relação com o hospedeiro e grau de endemicidade do meio. O domicílio é apontado como importante espaço de transmissão da doença, embora ainda existam grandes lacunas de conhecimento quanto aos prováveis fatores de risco implicados, especialmente aqueles relacionados ao ambiente social. Apesar de baixa patogenicidade, o poder imunogênico do Micobacterium leprae é responsável pelo alto potencial sita intracelular obrigatório que apresenta afinidade por células cutâneas e incapacitante da hanseníase, o que permite afirmar que este bacilo é de alta infectividade. A hanseníase parece ser uma das mais antigas doenças que acomete o homem. As referências mais remotas datam de 600 A.C e procedem da Índia, que juntamente com a África podem ser consideradas o berço da doença. A melhoria das condições de vida e o avanço do conhecimento científico modificaram significativamente esse quadro e, hoje, a hanseníase tem tratamento e cura.

_ Agente Etiológico: bacilo álcool-ácido resistente, Mycobacterium leprae. É um parasita intracelular obrigatório que apresenta afinidade por células cutâneas e por células dos nervos periféricos.

_ Reservatório: o homem é reconhecido como a única fonte de infecção,

embora tenham sido identificados animais naturalmente infectados - o tatu, o macaco mangabei e o chimpanzé. Os doentes multibacilares sem tratamento –hanseníase Virchowiana e hanseníase Dimorfa - são capazes de eliminar grande quantidade de bacilos para o meio exterior (carga bacilar de cerca de 10.000.000 de BAAR presentes na mucosa nasal).

_ Modo de Transmissão: a principal via de eliminação dos bacilos é a via aérea superior sendo o trato respiratório a mais provável via de entrada do Mycobacterium leprae no corpo. O trato respiratório superior dos pacientes multibacila-res (Virchowianos e Dimorfos), é a principal fonte de Mycobacterium leprae encontrada no meio ambiente. Não se pode deixar de mencionar a possibilidade de penetração do bacilo pela pele, com solução de continuidade.

_ Período de Incubação: a hanseníase apresenta longo período de incubação: de dois a sete anos. Há referência a períodos mais curtos, de sete meses, como também, de mais de dez anos.

CID-10 A30

_ Período de Transmissibilidade: os doentes paucibacilares não são considerados importantes como fonte de transmissão da doença, devido à baixa carga bacilar. Os pacientes multibacilares constituem o grupo contagiante e assim se mantêm enquanto não se iniciar o tratamento específico.

_ Suscetibilidade e Imunidade: a exemplo de outras doenças infecciosas, a conversão de infecção em doença depende de interações entre fatores individuais e ambientais. Devido ao longo período de incubação é menos freqüente na infância.

Contudo, em áreas mais endêmicas, a exposição precoce em focos domiciliares aumenta a incidência de casos nessa faixa etária. Embora acometa ambos os sexos, observa-se predominância do sexo masculino (2:1).

_ Distribuição e Morbidade: a hanseníase é endêmica nos países subdesenvolvidos e em desenvolvimento. O coeficiente de prevalência da hanseníase no país, em 1997, foi de 5,43 casos por 10.000 habitantes, com 86.741 casos em registro

ativo, colocando o Brasil em 2º lugar no mundo em número absoluto de casos, sendo superado apenas pela Índia. O coeficiente de detecção de casos novos (incidência), no ano de 1997, foi de 2,78 casos por 10.000 habitantes.

Vale ressaltar que a meta estabelecida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) é eliminar a hanseníase como problema de saúde pública até o ano 2000, isto é, atingir uma prevalência de menos de 1 caso por 10.000 habitantes.

_ Aspectos Clínicos

Os aspectos morfológicos das lesões cutâneas e classificação clínica nas 4 formas abaixo podem ser utilizados nas áreas com profissionais especializados e em investigação científica. Entretanto, a ampliação da cobertura de diagnóstico e tratamento impõe a adoção da classificação operacional, baseada no número de lesões:

Quadro 1

Sinopse para Classificação das Formas Clínicas da Hanseníase

CARACTERÍSTICAS

hipocrômicas e/ou eritemo-hipocrômicas, com ou sem diminuição da sudorese e rarefação de pelos. Negativa Indeterminada (HI) Paucibacilar (PB) Placas eritematosas, eritemato-hipocrômicas, bem delimitadas, hipo ou anestésicas, comprometimento de Clínicas Bacterioscópicas

Formas

Clínicas

Classificação Operacional vigente para a rede básica

Áreas de hipo ou anestesia, parestesias, manchas nervo.

Negativa

Tuberculóide (HT)

_ 5 lesões de pele e/ou apenas 1 tronco nervoso acometido

Lesões pré-foveolares (eritematosas planas com o centro claro). Lesões foveolares (eritematopigmentares (de tonalidade ferruginosa ou pardacenta). Apresentando alterações de sensibilidade.Positiva (Bacilos e globias ou com raros bacilos) ou Negativa Dimorfa (HD) Eritema e infiltração difusos, placas eritematosas infiltradas e de bordas mal definidas, tubérculos e nódulos, madarose, lesões das mucosas, com alteração de sensibilidade.

Positiva

(Bacilos abundantes e globias)

Virchoviana (HV)

Multibacilar (MB)

> de 5 lesões de pele e/ou mais de um tronco nervoso acometido

Notas:

_ Na hanseníase Virchowiana, afora as lesões dermatológicas e das mucosas, ocorrem também lesões Viscerais.

_ As manifestações neurológicas são comuns a todas as formas clínicas. Na hanseníase indeterminada não há comprometimento de troncos

nervosos, não ocorrendo por isso, problemas motores. Na hanseníase tuberculóide o comprometimento dos nervos é mais precoce e mais intenso.

_ Os casos não classificados quanto à forma clínica serão considerados para fins de tratamento como multibacilares.

3_ Diagnóstico Diferencial: as seguintes dermatoses podem se assemelhar a algumas formas e reações de hanseníase, e exigem segura diferenciação: eczemátides, nevo acrômico, pitiríase versicolor, vitiligo, pitiríase rósea de Gilbert, eritema solar, eritrodermias e eritemas difusos vários, psoríase, eritema polimorfo, eritema nodoso, eritemas anulares, granuloma anular, lúpus eritematoso, farmacodermias, fotodermatites polimorfas, pelagra, sífilis, alopécia areata (pelada), sarcoidose, tuberculose, xantomas, hemoblastoses, esclerodermias, neurofibromatose de Von Recklinghausen.

_ Tratamento: o tratamento é eminentemente ambulatorial. Nos serviços básicos de saúde administra-se uma associação de medicamentos, a POLIQUIMIOTERAPIA, padrão OMS (PQT/OMS). A regularidade do tratamento é fundamental para a cura do paciente. A prevenção de deformidades é atividade primordial

durante o tratamento e, em alguns casos, até mesmo após a alta, sendo parte integrante do tratamento do paciente com hanseníase. Para o paciente, o aprendizado do auto cuidado é arma valiosa para evitar seqüelas.

_ Esquemas Terapêuticos

Esquema Padrão OMS (Poliquimioterapia/OMS)

DROGA PAUCIBACILAR MULTIBACILAR

Rifampicina (RFM) 600 mg uma vez por mês, supervisionadas 600 mg uma vez por mês, supervisionadas.

Dapsona (DDS) 100 mg uma vez ao dia, auto-administradas. 100 mg uma vez ao dia, auto-administradas.

Clofazimina (CFZ) - 300 mg uma vez ao mês, supervisionadas + 100 mg em dias alternados ou 50mg diárias autoadministradas. Seguimento dos casos Comparecimentos mensais para a medicação supervisionada, no período de tratamento de 6 doses mensais até 9 meses. Comparecimentos mensais para a medicação supervisionada, no período de tratamento de 24 doses mensais, em até 36 meses. Intolerâncias às drogas do esquema padrão OMS são raras. Nesses casos devem ser utilizados esquemas alternativos. (Ver Guia de Controle/Manual de Procedimentos em Hanseníase).

_ Novos Esquemas de Poliquimioterapia/ OMS

A partir de 1998, a OMS recomenda o esquema padrão com a redução do trata-mento dos casos MB para 12 doses, em até 18 meses, e uma nova associação de drogas para os casos diagnosticados com lesão única de pele (lesão única de pele, mancha ou mácula hipocrômica, eritêmato-acastanhada ou área com alteração de sensibilidade cutânea, sem envolvimento de tronco nervoso): O esquema ROM (Rifampicina + Ofloxacina + Minociclina). O Ministério da Saúde adotou o esquema ROM para todas as Unidades de Saúde com diagnóstico clínico e tratamento e o esquema de PQT/OMS 12 doses em todas as US de referência.

4 CLASSIFICAÇÃO OPERACIONAL DROGA PAUCIBACILAR MULTIBACILAR LESÃO ÚNICA (ROM)

Rifampicina (RFM) 600 mg uma vez por mês, supervisionadas 600 mg uma vez por mês, supervisionadas num total de 12 doses mensais em até 18 meses. 600mg dose única supervisionada

Dapsona 100 mg uma vez ao dia, autoadministradas.100 mg uma vez ao dia, auto-(DDS) administradas (12 doses mensais).

(CFZ) -300 mg uma vez ao mês, super-Clofazimina visionadas (12 doses mensais) + 100 mg em dias alternados ou 50mg diárias auto-administradas

(12 meses).

Minociclina (MINO) - - 00mg administrada em dose única supervisionada

Ofloxacina (OFLO) - - 400mg administrada em dose única supervisionada

_ Esquema padrão (Poliquimioterapia) doses infantis por faixa etária:

Paucibacilares

Idade em Anos Dapsona (DDS) Diária Auto-Administrada (mg) Rifampicina (RFM) Mensal Supervisionada (mg)

0-5 25 150-300

6-14 50-100 300-450

>15 100 600

Multibacilares

Idade em Anos

Dapsona (DDS) Diária Auto-Administrada

Rifampicina (RFM) Mensal Supervisionada

Clofazimina (CFZ) (mg) (mg) auto-administrada (mg) sup. Mensal (mg)

0 - 5 25 150 - 300 10/semana 100

6 - 14 50 - 100 300 - 450 150/semana 150 - 200

> 15 100 600 50/dia 300

_ Estados Reacionais: estados reacionais são intercorrências agudas que podem ocorrer na hanseníase, por manifestação do sistema imunológico do paciente. Aparecem tanto no tratamento, quanto após a alta, não exigindo a suspensão ou reinício da poliquimioterapia. As reações podem ser de 2 tipos:

Tipo 1: também chamada REAÇÃO REVERSA. Ocorre mais freqüentemente em pacientes com hanseníase tuberculóide e dimorfa. Caracteriza-se por ERITEMA e EDEMA DAS LESÕES e/ou ESPESSAMENTO DE NERVOS com DOR À PALPAÇÃO DOS MESMOS (NEURITE). A neurite pode evoluir sem dor (NEURITE SILENCIOSA). É tratada com Prednisona via oral (VO) 1-2mg/kg/dia, com redução a intervalos fixos, conforme avaliação clínica (consultar o Guia para o Controle da Hanseníase CNDS/FNS/MS).Hanse

Tipo 2: ou ERITEMA NODOSO. Os pacientes com hanseníase virchowiana são os mais acometidos. Caracteriza-se por nódulos eritematosos, dolorosos, em qualquer parte do corpo. Pode evoluir com neurite. Trata-se com Talidomida (VO) - 100/400mg/dia, somente em paciente do sexo masculino (É PROIBIDO O USO EM MULHERES EM IDADE FÉRTIL DEVIDO A OCORRÊNCIA DE TERATOGENICIDADE); ou prednisona (VO) - 1-2mg/kg/dia. Também é feita em intervalos fixos, após avaliação clínica.

_ Efeitos Colaterais: as medicações usadas na poliquimioterapia da hanseníase são conhecidas há bastante tempo e também usadas em outras doenças, porém, como em qualquer tratamento medicamentoso, deve-se ter atenção para a presença de possíveis efeitos colaterais.

_ Critérios para Alta por cura: o paciente obtém alta por cura ao completar as doses preconizadas, não necessitando ficar sob vigilância do serviço de saúde. Pacientes da forma paucibacilar farão 6 doses de PQT/OMS em até 9 meses de tratamento e aqueles tratados com esquema ROM farão dose única, e os pacientes da forma multibacilar farão 24 doses de PQT/OMS em até 36 meses, ou 12 doses em até 18 meses no caso do esquema de curta duração. A presença de reações não impede a alta, o mesmo se aplicando à presença de seqüelas. Ao final das 24 doses, o paciente multibacilar pode apresentar baciloscopia positiva com bacilos fragmentados, ou seja, sem poder de multiplicação e de transmissão da doença, o que não impede a alta. A eliminação de restos bacilares deve-se ao sistema imunológico do indivíduo e não à administração de medicamentos por um tempo mais prolongado. Deve-se ter especial atenção aos estados reacionais pós alta. Os pacientes devem ser exaustivamente esclarecidos sobre estados reacionais que poderão ocorrer, o que implicará em retorno imediato ao Serviço de Saúde para cuidados exclusivos, sem quimioterapia específica (ver tratamento de estados reacionais). O esclarecimento e a cooperação do paciente são fatores primordiais para o sucesso do tratamento e prevenção de incapacidades.

_ Recidiva

Não é considerada recidiva a ocorrência de episódio reacional após a alta por cura.

PB-pacientes que após a alta por cura apresentarem dor em nervo não afetado anteriormente, novas alterações de sensibilidade, lesões cutâneas novas e/ou exarcebação de lesões anteriores que não respondam a corticoterapia, de acordo com as doses preconizadas.

MB: pacientes com típicas lesões cutâneas virchovianas ou dimorfas, lesões reacionais após 3 anos de alta por cura ou que continuam com reações após o 5º ano de alta. A confirmação baciloscópica deve considerar a presença de bacilos íntegros e globias, com revisão de lâmina por laboratório de referência. Todo caso suspeito de recidiva deve ser investigado e, se confirmado, reintroduzido o tratamento e notificado.

Gia de Vigi

_ Diagnóstico Laboratorial

_ Tipos de Exames

Exame baciloscópico: a baciloscopia poderá ser utilizada como exame com-plementar para classificação dos casos em MB e PB. Baciloscopia positiva indica hanseníase multibacilar independente do número de lesões.

Exame Histopatológico: indicado para elucidação diagnóstica e em pesquisas.

_ Vigilância Epidemiológica

O objetivo do Programa de Controle da Hanseníase é reduzir a morbidade da doença para menos de um (1) doente por 10.000 habitantes até o ano 2000, meta de eliminação proposta pela OMS. Os casos novos devem ser detectados precocemente e tratados para interromper a cadeia de transmissão da doença e prevenir as incapacidades físicas.

_ Notificação: a hanseníase é doença epidemiológica de notificação compulsória em todo território nacional e de investigação obrigatória. Cada caso deve ser notificado através da ficha de notificação/investigação do Sistema de Informações de Agravo de Notificação (SINAN), enviando-a em papel ou em meio magnético ao órgão de vigilância epidemiológica hierarquicamente superior, segundo fluxo e periodicidade estabelecidos na UF e em conformidade com o Manual de Procedimentos do SINAN.

_ Definição de Caso

Um caso de hanseníase é uma pessoa que apresenta um ou mais dos critérios listados a seguir, com ou sem história epidemiológica e que requer tratamento específico para hanseníase:

_ Lesão(ões) de pele com alteração de sensibilidade;

_ Espessamento neural acompanhado de alteração de sensibilidade;

_ Baciloscopia positiva para Micobacterium leprae.

Obs.: a baciloscopia negativa não afasta o diagnóstico de hanseníase.

_ Investigação Epidemiológica do caso: a investigação epidemiológica inclui o exame dermatoneurológico de todas as pessoas que convivem no domicílio com o caso novo de hanseníase, qualquer que seja a sua forma clínica, com o intuito de descobrir a fonte de infecção e conhecer outros casos oriundos dessa mesma fonte.

ok  (+ info)

O que é a Hanseníase?


Obrigado!
----------

ó....clica aki que tem tudo oke vc precisa saber sobre hanseniase........

http://www.dermatologia.net/novo/base/doencas/hanseniase.shtml

Ate mais.........  (+ info)

é verdade q barata transmite hanseníase ?


odeio baratas!
----------

Sim, podem transmitir muitas doenças além de hanseníase ( e baratas foram as principais transmissoras nos tempos das lepras sem cura).
- Nem todas estão contaminadas o tempo todo e em todos os lugares, claro...
(onde uma barata não vai? Desde Hospitais a qualquer outro ambiente, especialmente sem profilaxia, mas também podem estar em ambientes altamente asseados ou limpos - de passagem)

Alguns não percebem por que as Baratas são tão causadoras de medos, até insconscientes (para não afirmar subconscientes e detentores de engramas). E neste aspecto sua pergunta tem sim a ver com saúde mental.

As Baratas são dos poucos animais (insetos) que existem há milhões de anos, sobreviveram ao período dos dinossauros de mais de 75 milhões de anos atrás, são altamente reprodutivas e adaptáveis a todos os ambientes. (existem milhares de sub espécies).

* Estes dados são próprios, mas o link da primeira resposta confere!  (+ info)

alguém conhece algum tratamento alternativo para os sintomas da hanseníase?


O que é Hanseníase?

A Hanseníase é uma doença comum no Brasil. É causada por um micróbio, o Micobacterium Leprae (Bacilo de Hansen) que ataca a pele e os nervos, principalmente dos braços e das pernas.

Como reconhecer

Os principais sinais e sintomas da Hanseníase são os seguintes: manchas brancas ou avermelhadas dormentes, dor nos nervos dos braços, das mãos, das pernas ou dos pés, partes do corpo com formigamento ou dormência, caroços no corpo, ausência de dor em casos de queimaduras ou cortes nos braços, nas mãos, nas pernas e nos pés

Como Ocorre

A Hanseníase é transmitida de uma pessoa doente que não esteja em tratamento para uma pessoa sadia, principalmente através da respiração durante o convívio diário.

Caso de suspeita

A pessoa com sinais e sintomas suspeitos de Hanseníase deve procurar um Serviço de Saúde ou o seu médico para esclarecimento do diagnóstico. O tratamento da Hanseníase é feito gratuitamente nos ambulatórios, sem necessidade de internação. O paciente em tratamento pode conviver com a família, no trabalho e na sociedade sem qualquer restrição.

Tem cura

A Hanseníase tem cura após o tratamento que pode durar de seis meses a dois anos, caso não seja interrompido. Quanto mais rápido for feito o diagnóstico, mais rápida será a cura.

O Abandono

Mesmo que haja melhora dos sinais ou sintomas da doença, recomenda-se a volta ao posto de saúde para avaliação e, se necessário, continuar o tratamento ou, em caso de cura, receber alta.

Ajude a eliminar

Se houver sinais de suspeitas de Hanseníase, procure um dos postos de saúde da sua cidade para certificar-se do diagnóstico e começar o tratamento.

Plano de Eliminação (PEL)

Objetivo geral:
Atingir a meta de eliminação da Hanseníase como problema de saúde pública no Brasil, ou seja, reduzir a taxa de prevalência a < 1 caso/10.000 habitantes até o ano 2000.

Objetivos específicos:
1. diagnosticar e tratar com poliquimioterapia (PQT/OMS) todos os casos novos esperados (Brasil: 45.168 casos em 1997).
2. diagnosticar precocemente a Hanseníase de maneira que 90% dos casos novos sejam diagnosticados antes do aparecimento de deformidades físicas.
3. dar alta por cura a 80% dos casos que iniciaram tratamento
4. reduzir em 15% a 20% ao ano a taxa de prevalência.

ok  (+ info)

Alguém sabe onde posso encontrar algo q fale da situação atual da hanseníase no Brasil?


É para uma pesquisa que estou fazendo.
----------

Olha no mundo te indico esse site q há um arquivo em pdf...
que e muito bom...!
www.opas.org.br/prevencao/site/UploadArq/b_por_02.pdf

no Brasil..
www.adital.com.br/site/noticia.asp?lang=PT&cod=26206 - 62k -


mas ambos falão da posiçao vergonhosa de nosso país...  (+ info)

Que tipo de tratamento caseiro uma pessoa que tem hanseniase pode fazer?


preciso de sugestoes para amenizar sintomas da hanseniase...
----------

Nenhum, deve procurar um médico urgentemente  (+ info)

Você acredita na presença de espíritos em hospitais?


Alguns hospitais muito antigos mantiveram seu setor de isolamento no subsolo, lugar onde eram mantidos pacientes com hanseníase e tuberculose, por exemplo. É comum observar profissionais de saúde que trabalharam ou trabalham nesses hospitais antigos relatarem a presença de fantasmas.
Outro caso interessante é o do Hospital Hovrinskaya (Ховринская Больница) em Moscou. Esse hospital teve sua construção iniciada em 81 em um cemitério. Em 85 sob circunstâncias pouco claras, ele parou. Existem diversos relatos de espíritos circulando pelos corredores do hospital abandonado.
----------

Difícil não acreditar...trabalho em centro cirúrgico faz tempo,já passei por varios hospitais e as histórias são inúmeras,muitas inventadas mas outras que até fazem sentido,eu mesma nunca vi nada mas as vezes parece que há alguma coisa por perto...um calor ou frio inexplicáveis,um barulho,a dor de alguém que passa sem medicação...enfim,se são espiritos não tenho certeza,mas pode ser...  (+ info)

a hanseniase e hereditaria UMA MAE JA GRAVIDA QUE NAO FEZ O TRATAMENTO AINDA SEU FILHO TERA ESA DOENA?


Até onde sei é hereditária. E hoje existe tratamento com cura quase que garantida. é possivel, quase provavel que a criança se horne hanseníana...e claro, terá de fazer tratamento pra isso.
Melhor você ir a um serviço de saúde publica (posto de saúde, consultar um médico especialista nesta doença, ele te dará todas informações seguras e necesarias.)  (+ info)

Alguém que tenha tido hanseniase, e após tratamento tenha se curado, ficará imune ao bacilo de Hansem?


A pessoa só contrai a hanseníase se tiver um contato contínuo, familiar, aqueles que já estão há mais de cinco anos convivendo juntos. Porém, nem todas pessoas desenvolvem ela. A manifestação dela é muito lenta. Muitas pessoas podem ter a hanseníase e nem sabem...

A hanseníase hoje tem cura, porque foi feita uma descoberta, é feita a poliqui-mioterapia, feita com vários quimioterá-picos e vários antibióticos. Essa associação é que faz o tratamento. O Ministério da Saúde preconizou o tratamento, é estabelecido pelo Ministério, em todo local ele é feito da mesma forma.É um tratamento gratuito. E dura, dependendo do caso, de seis meses a um ano...


----->>> Você tomou o medicamento e seguiu as orientações corretamente, a pessoa já não passa mais para outra pessoa. Na primeira dose, a pessoa já fica imune a doença. As manchas somem com o tempo, agora a pessoa que teve uma hanseníase mais avançada poderá ficar com seqüelas. Perda de membro, por exemplo.


isso ae! por hoje é só!  (+ info)

uso de anticoncepcionais e remedios para anemias associados com o remedio pra hanseniase perdem o efeito?


eu sou portadora do bacilo da hansen.
eu tomo os remedios pra hanseniase a um mes, e meu anticoncepional a uma ano junto com o de anemias sera que estão
fazendo efito em mim.
----------

Depende de quais são os remédios!  (+ info)

1  2  3  4  5  

Deixa uma mensagem sobre 'Hanseníase Tuberculóide'



Não avalia ou garante a precisão de qualquer conteúdo deste site. Clique aqui para ler o termo de responsabilidade.

Última atualização: Setembro 2014