FAQ - Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica
(Powered by Yahoo! Answers)

Doença pulmonar obstrutiva crônica?


pacientes com DPOC podem chegar a ter episódios de convulsões? por que?
----------

Não ha implicação direta entre crises convulsívas e DPOC, a doença pulmonar obstrutiva cronica compreende algumas patologias que cursam com a dificuldade de execuçao da hematose (troca gasosa entre O2 e CO2) por motivos obstrutivos que impedem um fluxo adequado de ar aos alveolos pulmonares.
Indiretamente uma hipoxia severa causada pela DPOC poderia ter alguma implicaçao central, porem convulsões, me parece muito pouco provável.
Ha que se investigar em manifestaçoes de convulsoes em pacientes com DPOC a historia patologica pregressa do paciente, pois provavelmente este deveria possuir uma segunda doença (convulsiva) cursando silenciosamente, e quem sabe até a ansiedade gerada pela dificuldade respiratória do paciente com DPOC pode estar influindo na abertura de crises convulsivas.  (+ info)

A doenca pulmonar obstrutiva crônica(DPOC) é contagiosa?


Por favor se algum doutor puder responder ou alguém que realmente enteda me responda essa doenca pega ?
----------

Não. Apesar de que não é uma donca , é um grupo de doencas pulmonares.   (+ info)

Gostaria de saber quando uma pessoa tem doença pulmonar obstrutiva crónica (DPOC) precisa ficar internada?


Ou só um tratamento a base de nebulização resolve??
----------

Desculpe-me, mas como " um tratamento á base de nebulização resolve?/" estamos falando de uma doença CRÔNICA = crônica , não é aguda,
crônica não tem cura. boa sorte./  (+ info)

EFISEMA PULMONAR é uma doença crônica...não é?


Vocês não acham que quem tem efisema pulmonar deveria se aposentar logo que se constatasse o problema. Conheço uma pessoa que ainda não conseguiu?!?!?!?!?
----------

SIM , PQ DEPOIS DE CONFIRMADO O DIAGNÓSTICO A TENDÊNCIA É PIORAR POR SER IRREVERSÍVEL , OU SEJA , CRÔNICO , MAS NÃO SE ESQUECA , AOS OLHOS DE DEUS TUDO É REVERSIVEL ... ABRAÇOS  (+ info)

alterações puntiformes espassas substância branca cerebral centro cemioval microangiopatia obstrutiva crônica?


Estas informações estão na ressonãncia magnética da minha mãe, gostaria de ter uma idéia do que se trata, obrigada
----------

Oi colega,

apenas por um laudo eu não posso dizer o que sua mãe tem. Só o médico vai poder dizer com exatidão, porque ele a acompanha, tem seu histórico, sabe seus exames anteriores, sintomas, etc.

Mas vou tentar falar sobre os termos que você citou.
O resultado foi: alterações puntiformes esparsas substância branca cerebral centro semioval. Ou seja: no exame o médico encontrou pontinhos espalhados, localizados na região do cérebro chamada "substância branca" de um local chamado "centro semioval".

Pelo que entendi esse resultado parece sem compatível com uma microangiopatia obstrutiva crônica.

O que isso quer dizer? Bom, a microangiopatia é o termo genérico para uma doença dos vasos sangüíneos (artérias, veias e vasos capilares), em que esses vasinhos ficam frágeis. A microangiopatia mais conhecida e a maioria das angiopatias é a angiopatia diabética, uma complicação que pode acontecer no diabetes crônico. O termo "micro" do "microangiopatia" é porque ocorre nos pequeninos vasos sanguíneos.

Uma microangiopatia obstrutiva crônica é, o termo por si só, o que: uma obstrução crônica dos pequenos vasos sanguíneos, que está causando fragilidade desses vasos. Isso pode ocorrer por outros motivos sem ser Diabetes. Pode ter como consequência, por exemplo, o ataque isquêmico transitório, um tipo de pequenos AVCs, pequenos
"derrames" que vão acontecendo com a pessoa, até que ela tenha realmente um derrame.

E existem outras coisas, mas não dá pra falar de tudo porque na verdade só que conhece o paciente pode encaixar este laudo no contexto clínico do paciente. É como se fosse um quebra-cabeça. Esse laudo é apenas uma peça. Com ele isoladamente você não vê o desenho por inteiro. O médico é o único que tem todas as outras peças deste quebra-cabeça e vai conseguir juntar tudo e lhe dar uma resposta mais clara.

Abraços.  (+ info)

qual a diferença de doença pulmonar restritiva para obstrutiva?


levando em consideração valores de expirometria
----------

Na doença obstrutiva, ocorre obstrução ao fluxo aéreo pelos brônquios e bronquíolos. É o caso da asma brônquica, doença pulmonar obstrutiva crônica (geralmente causada pelo fumo), e bronquiolite (comum em crianças pequenas, e de causa infecciosa. os transtornos do tipo restyritivo são decorrentes de problemas na expansibilidade torácica. Nestes casos existe uma variação enorme de problemas que podem ser a causa. Podem ser doenças que causem fibrose pulmonar dificultando sua expansão. Podem ser doanças neurológicas que comprometam os nervos responsáveis pela respiração, como paralisia infantil, mielite transversa, sequelas de trauma de medula. Podems er doenas deformantes do tórax, como a cifo-escoliose, que prejudiquem os movimentos respiratórios. Na espirometria pode-se diferenciar facilmente esses dois tipos de problema. No distúrbio obstrutivo a VEF no 1º segundo está invariavelmente alterado. No padrão restritivo, as alterações são da expansibilidade torácica, levando a uma redução do volume corrente, e dos volumes e capacidades pulmonares.  (+ info)

Histoplasmose pulmonar crônica, o que quer dizer?


Infecção respiratória crônica causada pela inalação de esporos do fungo Histoplasma capsulatum, encontrado nos excrementos de pássaros e morcegos encontrados comumente nos vales cortados por rios.

Causas, incidência e fatores de risco:
A histoplasmose é causada por um fungo encontrado nas regiões central e leste dos Estados Unidos, leste do Canadá, sudeste da Ásia, México, América Central, América do Sul e África. A maioria dos casos é benigna ou assintomática. A histoplasmose aguda ocorre em epidemias. A doença pode durar de um a seis meses, mas raramente é fatal.

Pode ocorrer também a doença crônica e progressiva. Na forma crônica, a doença ocorre anos após a exposição ao fungo e normalmente fica limitada aos pulmões. Ocorrem alterações semelhantes a cicatrizes (fibróticas) dentro do tecido pulmomar.

Os fatores de risco incluem viajar para a região central ou leste dos Estados Unidos (ou aí residir), exposição ambiental ou ocupacional aos excrementos de galinhas, morcegos e melros, pré-existência de (DPOC) doença pulmonar obstrutiva crônica e pessoas cujo sistema imune tenha sido reprimido por doença ou medicamentos. A incidência é de 5 em cada 1 milhão de pessoas.

Sintomas:

febre
calafrios
rigidez e dores musculares
tosse
pode haver exantemas
dor articular e rigidez articular

Sinais e exames:

raio X do tórax
cultura de escarro (nem sempre positiva)
hemograma completo
Tratamento:
Normalmente não há necessidade de tratamento para a histoplasmose pulmonar aguda. Nos casos graves, pode ser administrada a anfotericina B, um medicamento antifúngico. O tratamento com anfotericina B é feito por duas semanas em crianças com menos de dois anos, pois estas correm o risco de desenvolver histoplasmose disseminada.

Expectativas (prognóstico):
A histoplasmose grave e progressiva pode durar de um a seis meses, mas raramente é fatal.

Complicações:
A histoplasmose pode se espalhar para outros órgãos através da corrente sangüínea (disseminação). Isso geralmente acontece em bebês, crianças pequenas e pacientes imunodeprimidos.

A histoplasmose aguda pode piorar progressivamente ou se tornar histoplasmose crônica.

ok  (+ info)

O é doença pu,mar obstrutiva crônica?


Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica é uma doença caracterizada por obstrução irreversível ao fluxo de ar. É composta de 3 componentes que podem variar em proporção em cada paciente: enfisema pulmonar, bronquite e bronquiolite. Geralmente está associada ao tabagismo, mas existem outros fatores de risco como exposição a fumaça da queima da lenha, e até mesmo componete genético. Espero ter ajudado.  (+ info)

E recomendado usar a ressuscitamento cardio-pulmonar em caso de ataque repentino de asma cronica?


manobras de ressuscitação CARDÍACA somente nos casos de PARADA...Asma, geralmente causa BRONCOESPASMO... a pessoa usa BRONCODILATADORES....(as bombinhas)...e se naum melhorar, procurar atendimento médico.....emergência ou hospital mais próximo...
abraço..

Esse termo cardio-pulmonar, se deve na PCR( parada cardio-respiratória. que se deve no primeiro instante a parada respiratória, e consequentemente cardíaca após)..somente nesse caso deve-se usar...(e por pessoas treinadas/especializadas)  (+ info)

o que e doenca pulmonar obstrutiva?


olá, leia com atenção, espero tê-lo ajudado, boa sorte.

DOENÇA PULMONAR OBSTRUTIVA CRÔNICA

O que é?

A doença pulmonar obstrutiva crônica é uma doença crônica dos pulmões que diminui a capacidade para a respiração. A maioria das pessoas com esta doença apresentam tanto as características da bronquite crônica quanto as do enfisema pulmonar. Nestes casos, chamamos a doença de DPOC. Quando usamos o termo DPOC de forma genérica, estamos nos referindo a todas as doenças pulmonares obstrutivas crônicas mais comuns: bronquite crônica, enfisema pulmonar, asma brônquica e bronquiectasias. No entanto, na maioria das vezes, ao falarmos em DPOC propriamente dito, nos referimos à bronquite crônica e ao enfisema pulmonar.

A bronquite crônica está presente quando uma pessoa tem tosse produtiva (com catarro) na maioria dos dias, por pelo menos três meses ao ano, em dois anos consecutivos. Mas outras causas para tosse crônica, como infecções respiratórias e tumores, tem que ser excluídas para que o diagnóstico de bronquite crônica seja firmado.

O enfisema pulmonar está presente quando muitos alvéolos nos pulmões estão destruídos e os restantes ficam com o seu funcionamento alterado. Os pulmões são compostos por incontáveis alvéolos, que são diminutos sacos de ar, onde entra o oxigênio e sai o gás carbônico.

Na DPOC há uma obstrução ao fluxo de ar, que ocorre, na maioria dos casos, devido ao tabagismo de longa data. Esta limitação no fluxo de ar não é completamente reversível e, geralmente, vai progredindo com o passar dos anos.

Como se desenvolve?

O DPOC se desenvolve após vários anos de tabagismo ou exposição à poeira (em torno de 30 anos), levando à danos em todas as vias respiratórias, incluindo os pulmões. Estes danos podem ser permanentes. O fumo contém irritantes que inflamam as vias respiratórias e causam alterações que podem levar à doença obstrutiva crônica.

O que se sente?

Os sintomas típicos de DPOC são: tosse, produção de catarro e encurtamento da respiração. Algumas pessoas desenvolvem uma limitação gradual aos exercícios, mas a tosse somente aparece eventualmente. Outras, costumam ter tosse com expectoração (catarro) durante o dia, principalmente pela manhã, e tem maior facilidade de contrair infecções respiratórias. Neste caso, a tosse piora, o escarro (catarro) torna-se esverdeado ou amarelado, e a falta de ar poderá piorar, surgindo, às vezes, chiado no peito (sibilância). À medida que os anos passam e a pessoa segue fumando, a falta de ar vai evoluindo. Pode começar a aparecer com atividades mínimas, como se vestir ou se pentear, por exemplo. Algumas pessoas com DPOC grave poderão apresentar uma fraqueza no funcionamento do coração, com o aparecimento de inchaço nos pés e nas pernas.

Como o médico faz o diagnóstico?

O médico faz o diagnóstico baseado nas alterações identificadas no exame físico, aliado às alterações referidas pelo paciente e sua longa exposição ao fumo. O médico poderá, ainda, solicitar exames de imagem ou de função pulmonar, além de exames de sangue. Todos estes exames complementares irão corroborar o diagnóstico de DPOC. Os exames de imagem, como a radiografia ou a tomografia computadorizada do tórax mostrarão alterações características da doença. A espirometria, que é um exame que demonstra como está a função pulmonar, usualmente demonstra a diminuição dos fluxos aéreos. Neste exame, a pessoa puxa o ar fundo e assopra num aparelho que medirá os fluxos e volumes pulmonares. Outro exame importante é a gasometria arterial, em que é retirado sangue de uma artéria do paciente e nele é medida a quantidade de oxigênio. Nas pessoas com DPOC, a oxigenação está freqüentemente diminuída.

Como se trata?

A primeira coisa a fazer é parar de fumar. Nas pessoas com muita dificuldade para abandonar o fumo, podem ser utilizadas medicações que diminuem os sintomas causados pela abstinência deste. Os broncodilatadores são medicamentos muito importantes no tratamento. Podem ser utilizados de várias formas: através de nebulizadores, nebulímetros (sprays ou "bombinhas"), turbohaler ( um tipo de "bombinha" que se inala um pó seco ), rotadisks (uma "bombinha" com formato de disco que se inala um pó seco), comprimidos, xaropes ou cápsulas de inalar. Os médicos costumam indicar estes medicamentos através de nebulímetros, turbohaler, cápsulas inalatórias ou nebulizadores, por terem efeito mais rápido e eficaz, além de contabilizarem menos efeitos colaterais. Contudo, os medicamentos corticosteróides também podem ser úteis no tratamento de alguns pacientes com DPOC. O uso de oxigênio domiciliar também poderá ser necessário no tratamento da pessoa com DPOC, melhorando a qualidade e prolongando a vida do doente. Além disso, a reabilitação pulmonar através de orientações e exercícios também poderá ser indicada pelo médico com o intuito de diminuir os sintomas da doença, a incapacidade e as limitações do indivíduo, tornando o seu dia-a-dia mais fácil.

Devemos lembrar a importância da vacinação contra a gripe (anual) e pneumonia, que, geralmente, é feita uma única vez.

Como se previne?

Evitar o fumo é a única forma de prevenção da doença. A terapia de reposição de nicotina ou o uso de uma medicação chamada bupropiona poderá auxiliar neste sentido.

Perguntas que você pode fazer ao seu médico

Tem como o médico antever os casos de fumantes que evoluirão para tal doença?

Quais as principais diferenças entre a DPOC e a asma brônquica?

O que há de novo em relação ao tratamento da DPOC?

Quais os pacientes que deverão fazer a reabilitação pulmonar como auxílio no tratamento?  (+ info)

1  2  3  4  5  

Deixa uma mensagem sobre 'Doença Pulmonar Obstrutiva Crônica'



Não avalia ou garante a precisão de qualquer conteúdo deste site. Clique aqui para ler o termo de responsabilidade.

Última atualização: Setembro 2014