Casos registrados "Coriorretinite"
(Traduzidos do inglês com Altavista Babel Fish)

Filtrar por palavras-chave:



Obtendo documentos. Espere, por favor...

1/218. Ocular preliminar Epstein-Barr non-Hodgkin' vírus-associado; lymphoma de s em um paciente com AIDS: um relatório clinicopathologic.

    OBJETIVO: Para relatar um exemplo incomun da coriorretinite multifocal crônica com vitritis em um paciente com síndrome adquirida da imunodeficiência (AIDS) que era resistente à medicamentação antivirosa e antitoxoplasmic e exigida uma biópsia retinal para o diagnóstico definitivo. MÉTODOS: A biópsia Vitreous, o plana das paridades vitrectomy, e a biópsia retinal foram executados. O material vitreous da biópsia foi emitido para a cultura bacteriana, fungosa, e viral, e a gaveta vitreous foi emitida para a citologia. O material retinal da biópsia foi dividido e emitido para o teste da reacção em cadeia do polymerase para o toxoplasmosis e o virology e análise patológica do tecido. RESULTADOS: A citologia Vitreous mostrou uma população misturada dos linfócitos e dos histiocytes, mas todos estudos microbiológicos e virologic restantes eram negativos. A análise do tecido revelou uma infiltração das pilhas mononuclear atípicas que estendem da membrana de limitação interna com a camada plexiforme exterior característica de uma pilha de B, non-Hodgkin' lymphoma de s do sistema nervoso central (NHL-CNS). A hibridação in situ para o vírus de Epstein-Barr (EBV) era positiva. Uma avaliação sistemática extensiva não mostrou a evidência do tumor extraocular. CONCLUSÃO: Embora rara, a ocular preliminar NHL-CNS pode ser vista nos pacientes com AIDS, e sua apresentação clínica assemelha-se frequentemente pròxima a outras desordens. A nosso conhecimento, este caso representa o primeiro NHL da ocular em que EBV é mostrado para ser associado. ( info)

2/218. Coxsackievirus B4 como uma causa da coriorretinite adulta.

    FINALIDADE: Para descrever a manifestação e o curso clínicos da coriorretinite presumiu ser secundária à infecção do coxsackievirus em um adulto. MÉTODO: Encaixote o relatório documentado pela fotografia do fundo e pela angiografia da fluoresceína. RESULTADOS: A examinação oftalmoscópica de uma mulher sintomático dos anos de idade 34 mostrou diversos pontos parafoveal cream-colored a nível do epitélio retinal do pigmento e pontos confluentes similares, múltiplos no midperiphery de ambos os olhos. Os Titers para o coxsackievirus B4 demonstraram quatro vezes mais uma ascensão entre soros agudos e convalescentes. CONCLUSÃO: Coxsackievirus B4 é aparentemente uma causa rara da coriorretinite mas não obstante deve ser considerado no ajuste clínico apropriado. ( info)

3/218. A extensão ascendente de um intervalo atrófico do epitélio retinal do pigmento associou com o toxoplasmosis macular congenital.

    FINALIDADE: Para relatar um exemplo incomun do intervalo atrófico gravitacional do epitélio retinal do pigmento em uma mulher adulta de 20 anos. MÉTODOS: Relatório do caso. RESULTADOS: O paciente teve a coriorretinite toxoplasmic congenital cicatricial macular em ambos os olhos. No olho direito, um intervalo atrófico do epitélio retinal do pigmento que origina da margem superior da cicatriz macular estendeu para cima para a periferia retinal. CONCLUSÃO: O sentido ascendente incomun do intervalo atrófico do epitélio retinal do pigmento pode ser explicado pelo - na posição principal do utero durante a fase ativa da doença chorioretinal. ( info)

4/218. Uso da reacção em cadeia do polymerase para o diagnóstico do toxoplasmosis da ocular.

    OBJETIVO: Para relatar uma coorte dos pacientes em quem a reacção em cadeia do polymerase (PCR) foi executada em amostras vitreous e coloc na perspectiva o papel atual do PCR no diagnóstico do toxoplasmosis da ocular. PROJETO: Série do caso de Noncomparative. PARTICIPANTES: Quinze pacientes em quem o retinochoroiditis toxoplasmic foi considerado no diagnóstico diferencial e em quem a apresentação clínica não era diagnóstico e/ou resposta ao tratamento eram inadequados. INTERVENÇÃO: Examinação do líquido vitreous pelo PCR e do soro para a presença de anticorpos toxoplasma-específicos. MEDIDAS PRINCIPAIS DO RESULTADO: Presença de ADN do gondii do toxoplasma, de resultados da análise serologic, de resultados clínicos, de tratamento, e de resultado. RESULTADOS: Em 7 de 15 pacientes, os resultados fluidos vitreous da examinação pelo PCR eram positivos para a presença de ADN do gondii do T. Cinco destes sete pacientes tiveram os resultados da análise serologic consistentes com a infecção do toxoplasma adquirida no passado distante; outros dois pacientes tiveram os resultados da análise serologic consistentes com o retinochoroiditis no ajuste do toxoplasmosis agudo. Os resultados do PCR influenciaram a gerência destes pacientes em seis dos sete casos positivos. Nos oito pacientes a quem a examinação vitreous conduz era negativo pelo PCR, um ou outro serology do toxoplasma era o negativo (6), as lesões retinal foram causadas pelo cytomegalovirus (1), ou, em uma consideração mais adicional, os sinais do olho não eram consistentes com os aqueles do retinochoroiditis toxoplasmic (1). CONCLUSÃO: Nos pacientes em quem o toxoplasmosis é considerado no diagnóstico diferencial mas em quem a apresentação é atípica, o PCR era freqüentemente um dae (dispositivo automático de entrada) diagnóstico útil. ( info)

5/218. Controle de sintomas visuais em dois homens com terapia oral de utilização retinochoroidopathy do corticosteroide da baixo-dose do birdshot.

    FINALIDADE: Para descrever dois homens com o birdshot retinochoroidopathy cujos os sintomas visuais subjetivos severos foram controlados pelo uso a longo prazo da terapia oral do corticosteroide da baixo-dose. MÉTODO: Revisão da carta. RESULTADOS: Visão melhorada subjetiva em ambos os homens após o tratamento inicial com prednisone oral (1 mg/kg/day) e restante estável ao tomar o diário do magnésio 5 ou o menos do prednisone por períodos de 54 e 81 meses. CONCLUSÃO: Alguns pacientes com o birdshot retinochoroidopathy fazem bem sem a terapia a longo prazo ou somente corticosteroide orais da baixo-dose como a terapia a longo prazo. ( info)

6/218. cegueira da infância e perda visual: uma avaliação nas duas instituições que incluem um " new" causa.

    FINALIDADE: Este estudo foi iniciado para investigar as causas da cegueira da infância e do prejuízo visual nos estados unidos. Nós igualmente procuramos uma etiologia particular--vírus lymphocytic congenital do choriomeningitis (LCMV)--qual foi considerado excessivamente raro, em uma população de alvo fixo das crianças, severamente mentalmente - retardado. MÉTODOS: Nós empreendemos um estudo library-based da literatura do mundo verter internacional a luz nas causas da cegueira da infância e põr nossos dados no contexto. Nós examinamos em perspectiva todas as crianças consentidas (159) nas 2 instituições nos estados unidos para determinar seu status da ocular e a etiologia de todo o presente visual da perda. Uma das instituições é uma escola para o cego (referido daqui por diante como a posição V), em que a maioria dos estudantes têm o mentation normal. O outro é um repouso para severamente mentalmente - as crianças retardadas, nonambulatory (referidas daqui por diante como a posição M). Esta instituição foi selecionada especificamente fornecer uma amostra de perda visual associada com o atraso severo porque o punhado dos casos de LCMV na literatura foi associado com os insultos severos do sistema nervoso central. As histórias foram obtidas dos registros no local, e todas as crianças receberam uma examinação ophthalmic cyclopleged completa em sua instituição executada pelo autor. Os pacientes na posição M com as cicatrizes chorioretinal consistentes com a infecção intrauterine (um sinal possível de LCMV) tiveram consentimentos separados para o desenho do sangue. Os soros foram obtidos e emitidos para titers padrão de TORCHS, titers do toxoplasmosis (Jack S. Remington, DM, Palo Alto, Calif), e teste de ELISA para LCMV (centros para o controlo e prevenção de enfermidades, Atlanta, GA). RESULTADOS: Os diagnósticos na posição V foram variados e retinopathy incluído da prematuridade (19.4%), da atrofia ótica (19.4%), do pigmentosa da retinite (14.5%), da hipoplasia do nervo ótico (12.9%), das cataratas (8.1%), da hipoplasia foveal (8.1%), de vitreous preliminar hyperplastic persistente (4.8%), e dos microphthalmos (3.2%). O diagnóstico o mais comum na posição M era a atrofia ótica bilateral, que foi encontrada em 65% dos pacientes examinados quem teve a perda visual. Destes, os insultos eram o mais frequentemente congenitais (42.6%), com traumatismo do nascimento, prematuridade, e genéticas cada um responsável para aproximadamente 15% da atrofia ótica. O segundo - a maioria de diagnóstico comum era o prejuízo visual cortical (24%), seguido pelas cicatrizes chorioretinal (5%), que são fortemente sugestivos da infecção intrauterine. De 95 pacientes examinados na posição M, 4 tiveram cicatrizes chorioretinal. Dois destes tiveram dramàtica titers elevados para LCMV, como fêz uma de suas mães. Uma de outras 2 crianças morreu antes que o soro poderia ser extraído, e o quarto teve titers negativos para TORCHS e LCMV. CONCLUSÕES: Em ambas as posições estudou, perda visual era o mais frequentemente devido aos insultos congenitais, se genético ou simplesmente pré-natal. A perda visual na posição V era duas vezes mais provável que aquela na posição M ser causada por uma desordem genética. As desordens genéticas na posição V eram doenças de olho mais frequentemente isoladas, quando aquelas entre retardado severamente na posição M eram mais desordens genéticas generalizadas. Nosso estudo identificou a atrofia ótica como um diagnóstico comum entre severamente mentalmente - retardado com a perda da visão, encontrando aquele é suportado por estudos precedentes em outros países. Em nossa população de crianças severamente retardadas, a etiologia do alvo do vírus lymphocytic do choriomeningitis era responsável para a metade da perda visual secundária à coriorretinite da infecção intrauterine. Isto é mais comum do que seja previsto por poucos casos descritos previamente na literatura, e sugere fortemente que LCMV possa ser uma causa mais comum da perda visual do que apreciado previamente. Nós acreditamos que o serology para LCMV deve ser parte do workup para a coriorretinite congenital, especial se os titers de TORCHS são negativos, e que talvez a mnemônica deve ser revisada ao " TORCHS L." A cegueira da infância e o prejuízo visual são trágicos e co ( info)

7/218. Encephalomyopathy congenital com epilepsia, coriorretinite, participação dos gânglio básicos, e minicores do músculo.

    Uma mulher teve o atraso, a epilepsia, a rigidez, e a coriorretinite psychomotor severos. A imagem latente de ressonância magnética mostrou a atrofia e hypointensities cerebelares e cerebrais em imagens de T2-weighted dos thalami e dos gânglio básicos. A biópsia do músculo documentou variações do tamanho em fibras de músculo arredondadas, em fibrose, e em minicores na microscopia de elétron. A mancha de Merosin era normal. Estas características até aqui não-relatados não permitem a classificação de nosso paciente dentro dos tipos atuais de dystrophies musculares encephalomyopathy e congenitais. ( info)

8/218. Infecção intrauterine materna do vírus de palavra simples de herpes que conduz ao vasculature fetal persistente.

    O vírus de palavra simples de herpes pode causar a ocular séria e a doença sistemática no neonate. A modalidade de transmissão ao neonate é geralmente do canal de nascimento materno ao intrapartum do feto; mas muito mais raramente, a infecção transplacental hematógena pode afetar os meses tornando-se do feto antes do nascimento. O vasculature fetal persistente ocorre quando há uma persistência do vasculature fetal da ocular, que regresses normalmente antes do nascimento. A nosso conhecimento, nós relatamos o primeiro exemplo da infecção intrauterine serologically provada do vírus de palavra simples de herpes associada com o vasculature fetal persistente bilateral em um infante de termo de sobrevivência. Arco Ophthalmol. 2000; 118: 837-840 ( info)

9/218. Choroidopathy de erythematosus de lúpus sistemático.

    FINALIDADE: Para descrever a ocular e as manifestações sistemáticas associou com o choroidopathy erythematosus do lúpus sistemático (SLE). MÉTODOS: Três casos novos de choroidopathy nos pacientes com SLE ativo foram descritos. Twenty-five casos publicados do lúpus choroidopathy foram sumariados. RESULTADOS: Houve 28 casos do lúpus choroidopathy (47 olhos involvidos) que foi relatado na literatura inglesa desde 1968, incluindo os três casos atuais. Somente dois dos pacientes eram masculinos. O choroidopathy era bilateral em 19 pacientes (68%). Todos os 28 pacientes (100%) tiveram a doença vascular sistemática ativa no início do seu choroidopathy; 18 (64%) tiveram a nefropatia e 10 (36%) tiveram o vasculitis do lúpus do sistema nervoso central (CNS). Todos com exceção de um dos pacientes tiveram um diagnóstico conhecido de SLE no início de choroidopathy. 30 dos 47 olhos envolvidos tiveram a apresentação de uma acuidade visual de 20/40 ou melhor; 14 olhos mostraram a melhoria na acuidade visual com terapia. 23 pacientes (82%) tiveram a definição do seu choroidopathy quando sua doença sistemática foi trazida sob o controle. Apesar do tratamento, 4 dos 28 pacientes (14%) morreram das complicações de SLE. CONCLUSÕES: Embora sabido menos do que o retinopathy, lúpus choroidopathy possa ser mais comum do que apreciado geralmente. Sere geralmente como um indicador sensível da atividade do lúpus. A presença de SLE choroidopathy é geralmente indicativa (embora às vezes occult) da nefropatia coexistente, do vasculitis do CNS, e de outras lesões viscerais de SLE. Immunomodulation da doença sistemática pode conduzir à melhoria e à definição do vasculitis sistemático assim como o choroidopathy. ( info)

10/218. coriorretinite placóide implacável: Uma entidade nova ou uma variação incomun da coriorretinite serpiginous?

    OBJETIVO: Para caracterizar uma entidade clínica incomun que assemelha-se ao choroiditis epitheliopathy (APMPPE) e serpiginous placóide multifocal do pigmento do posterior agudo mas com um curso clínico atípico. pacientes: Nós descrevemos 6 pacientes, envelhecidos 17 a 51 anos, exibindo esta entidade incomun que foi considerado em 6 centros diferentes de 1984 a 1997. RESULTADOS: As lesões retinal agudas nesta série eram similares àquelas de APMPPE ou do choroiditis serpiginous, clìnica e na angiografia verde da fluoresceína e do indocyanine. Entretanto, o curso clínico, o número de lesões, e a posição destas lesões eram atípicos. Estes pacientes tiveram a evidência do posterior numeroso e das lesões retinal periféricas que predating ou que ocorrem simultaneamente com participação macular. Mais velhas, as lesões pigmentadas curar foram acompanhadas frequentemente da aparência de lesões placóides brancas ativas novas. Adicionalmente, estes casos todos demonstraram períodos prolongados de atividade tendo por resultado a aparência de mais de 50 e às vezes centenas de lesões dispersadas durante todo o fundo. O crescimento de lesões subacute e a aparência de lesões novas continuaram por 5 a 24 meses após a examinação inicial, e os relapses eram comuns. CONCLUSÕES: Esta entidade tem as características clínicas similares a APMPPE e ao choroiditis serpiginous mas tem um curso clínico progressivo prolongado e uma distribuição difundida das lesões. Pode representar uma variação do choroiditis serpiginous ou pode ser uma entidade nova. Nós chamamo-la coriorretinite placóide implacável. Arco Ophthalmol. 2000; 118: 931-938 ( info)
(Traduzidos do inglês com Altavista Babel Fish)| Próximo ->


Deixa uma mensagem sobre 'Coriorretinite'



Não avalia ou garante a precisão de qualquer conteúdo deste site. Clique aqui para ler o termo de responsabilidade.

Última atualização: Setembro 2014